Qual a Diferença entre os Protocolos de Recomendação de Energia e Macronutrientes

Atualizado: Mai 20

Na hora do atendimento nutricional, é muito importante que o Nutricionista saiba quais protocolos utilizará para calcular um #planoalimentar que atenda às necessidades específicas de energia e macronutrientes de seu paciente.


recomendacoes de macronutrientes
Foto: Foundry/ Fonte: pixabay.com

Vamos começar do começo...


Para fazer o cálculo nutricional, para calcular uma #dieta ou plano alimentar, é necessário calcular o Valor Energético Total (VET), a distribuição percentual dos macronutrientes (proteínas, carboidratos e lipídios) e adequar as quantidades de vitaminas e minerais da dieta. Porém, na hora de escolher os protocolos de recomendação de macronutrientes pode aparecer a seguinte dúvida:


Qual o melhor para o meu paciente?


Pensando nisso, escrevemos esse post para que nossas clientes e os demais Nutricionistas possam ter um direcionamento e saber o que será melhor para fazer um ótimo atendimento.


Uma dieta adequada visa, dentre outros aspectos, a redução de carências nutricionais e a melhora do desempenho nas atividades diárias, sejam elas esportivas ou não. Ou seja: as recomendações nutricionais se baseiam na relação entre o gasto energético (metabolismo basal + exercício físico + efeito térmico dos alimentos), a metabolização (gasto) dos #nutrientes e as estimativas de #energia e nutrientes necessárias a cada grupo populacional.


Sendo assim, como as #dietas precisam ser balanceadas e atender o que cada paciente precisa. É necessário, em primeiro lugar, estabelecer as quantidades (em calorias e em gramas) e proporções dos nutrientes energéticos (macronutrientes), tanto em relação ao valor energético total da dieta (VET), quanto em cada uma das refeições.


Lembrando que temos apenas 3 macronutrientes, capazes de gerar energia (#calorias) para o organismo: carboidratos, proteínas e lipídeos.


Confira os principais protocolos de recomendação de macronutrientes:


DRI 2002/2005 – São recomendações nutricionais elaboradas pelo National Academy of Sciences, National Academy of Engineering, Institute of Medicine (IOM) e National Research Council (NRC). São estratificadas por sexo, faixa etária, estado fisiológico (gestantes e lactantes) e destinadas apenas a indivíduos saudáveis.


OMS 2003 – A Organização Mundial da Saúde (OMS) e Food and Agriculture Administration (FAO), no ano de 2003, publicaram o documento “Diet, nutrition and the prevention of chronic disease”, trazendo recomendações de macronutrientes para a população em geral, objetivando a manutenção da saúde e a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis. Já no ano de 2008, as mesmas instituições atualizaram as recomendações de consumo de lipídeos, para otimizar a saúde.


SBC 2007 – A Sociedade Brasileira de Cardiologia, na IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose, publicou recomendações dietéticas para macronutrientes objetivando a prevenção e o tratamento das dislipidemias. Estas devem ser utilizadas em pacientes que apresentam riscos em desenvolverem doenças cardiovasculares ou que já apresentam alguma situação clínica (como hipertrigliceridemia e hipercolesterolemia).


SBME 2009 – No documento “Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde”, a Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva recomendou valores de ingestão para macronutrientes. Para determinar a quantidade necessária de macronutrientes – carboidratos, #proteínas e lipídeos – essenciais na manutenção ou melhora do desempenho esportivo e saúde do corpo humano - levou-se em consideração o consumo calórico total (VET) e o tempo de digestão e aproveitamento metabólico. Estas recomendações são destinadas a #atletas saudáveis adultos e adolescentes em fase de maturação sexual final.


Gostou? Agora é só planejar os planos alimentares baseando-se em um protocolo que se adeque ao seu paciente!


Nas Planilhas Cookie® você consegue calcular planos alimentares utilizando todos esses protocolos, podendo assim, determinar a quantidade ideal de energia e macronutrientes para cada paciente. Tudo para que seu atendimento seja ainda mais direcionado e de excelência!



Bibliografia Consultada:


Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein and Amino Acids (2002/2005).


Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.88, sup I, 2007.


Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Revista Brasileira de Medicina Esportiva, v. 15, n. 3, 2009.


World Health Organization (WHO). Diet, nutrition and prevention os chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva, 2003.