Suplementos Alimentares: Quando e Como Prescrevê-los?

Atualizado: Mar 14

Suplementos alimentares são muito requisitados nas consultas de nutrição, tanto por atletas profissionais, quanto por praticantes de atividades físicas e pessoas que querem emagrecer. Nutricionista, vamos entender um pouco mais desse universo que é a suplementação?


suplementos alimentares
Foto: primalfuture/ Fonte: pixabay.com

Mas antes… O que são suplementos alimentares?


Segundo a Anvisa, "suplementos alimentares são produtos para ingestão oral, destinados a pessoas saudáveis, com a finalidade de fornecer nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos, isolados ou combinados, em complementação à alimentação. Não são medicamentos e, por isso, não servem para tratar, prevenir ou curar doenças."


Em 2018 a Anvisa uniu seis categorias de alimentos com finalidades específicas, e uma de medicamentos, que passaram todas a ser classificadas como #suplementosalimentares. São elas:

Cada uma das sete categorias acima, por sua vez, é pautada em regulamentos técnicos específicos. Por exemplo, os suplementos para atletas são produtos destinados a atletas que praticam exercício físico de alta intensidade, com o objetivo de participação em esporte com esforço muscular intenso.


suplementos alimentares
Foto: KeithJJ/ Fonte: pixabay.com

A polêmica


Muitos estudiosos afirmam que, para as pessoas que praticam atividades físicas com objetivo de promoção da saúde, recreação ou estética, e que têm uma alimentação balanceada, não há necessidade de #suplementação. Eles afirmam que, na maioria dos casos, uma dieta balanceada e diversificada já é suficiente para atender a demanda energética e de nutrientes do indivíduo. De fato, sabemos que, muitas vezes, a prescrição de suplementos apenas é feita pela vontade de atingir uma expectativa do paciente...


Por outro lado, é claro que o atual estilo de vida e a falta de tempo para o preparo das refeições interferem na qualidade da alimentação. Nesse ponto, o primeiro passo é o nutricionista colocar em prática seu papel de educador nutricional e trabalhar uma mudança de hábitos com o paciente, para que ele aprenda a se alimentar de maneira consciente e prática, diminuindo assim os riscos de #deficiênciasnutricionais. Até porque, convenhamos, é muito mais barato e gostoso comprar e ingerir alimentos do que suplementos!


Outra questão é ajudar o paciente a reduzir as expectativas relacionadas a não aceitação corporal (e aqui não estou falando de não se cuidar, o que é bem diferente!). O forte apelo publicitário, bem como a expectativa por resultados rápidos e "milagrosos", faz com que um número cada vez maior de indivíduos queira utilizar substâncias de maneira indiscriminada, muitas vezes, desconhecendo os riscos dessa decisão.


Por isso, o uso ou não de suplementos precisa ser avaliado por profissionais de saúde capacitados para este fim, dentre eles o nutricionista.


suplementos alimentares
Foto: Bru-nO/ Fonte: pixabay.com
A Resolução nº 656/ 2020 dispõe sobre a prescrição dietética, pelo nutricionista, de suplementos alimentares e dá outras providências. O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) explica que a prescrição de suplementos nutricionais deve ser com o objetivo de complementar o plano alimentar do paciente, e não substituir uma alimentação saudável e equilibrada.


Os 7 passos da prescrição de suplementos nutricionais


Criei aqui um passo a passo para facilitar sua tomada de decisão na hora de fazer as prescrições:

  1. Legalidade: o suplemento e seus ingredientes são liberados pela #Anvisa? Sua prescrição é legal? E mais: como Nutricionista, estou autorizada a prescrever esse produto?

  2. Ética: estou fazendo isso exclusivamente para o benefício do meu paciente? Serei clara com ele sobre os prós, contras e o que esperar em termos de resultados?

  3. Segurança: o consumo desse suplemento está livre de efeitos nocivos para quem o ingere?

  4. Eficiência e eficácia: o suplemento realmente poderá ajudar o meu paciente a atingir seus objetivos? Ou estou apenas usando isso apenas como um "incentivo psicológico"? Esteja atento às pesquisas sobre o assunto, busque estudos confiáveis e #artigoscientíficos que possam esclarecer, com imparcialidade, sobre os resultados obtidos com os produtos que você pretende prescrever.

  5. Especificidade: sexo, idade, estado geral de saúde... Todos esses fatores são determinantes para identificar se seu paciente tem perfil para ingerir o suplemento proposto. Um bom exemplo são os suplementos para #atletas. Muitos deles apresentam pequenos efeitos, que são funcionais apenas para atletas profissionais (como por exemplo, as substâncias que melhoram de 1 a 3% no desempenho, podendo ser a diferença entre a medalha de ouro e o segundo lugar). Desse modo, essa melhora pode ser boa para alguns e não fazer nenhum efeito para outros.

  6. Biodisponibilidade: as formas de consumo e os horários de ingestão podem interferir no aproveitamento dos suplementos? Lembre-se que a alta ingestão de nutrientes isolados, a ingestão de minerais junto a refeições ricas em #fibras, a ingestão de aminoácidos e peptídeos isolados junto a fontes proteicas... São várias as questões de digestão, absorção e utilização que precisam ser observadas na hora de prescrever para não afetar negativamente a #biodisponibilidade dos princípios ativos do produto.

  7. Idoneidade do fornecedor e qualidade da matéria-prima: indique farmácias de manipulação e indústrias que estejam em dia com os órgãos fiscalizadores, que não tenham se envolvido em problemas de fraude, falsificação ou adulteração de produtos e matérias-primas. Infelizmente, isso é muito comum em nosso meio. Há casos, inclusive, de substâncias não declaradas no rótulo, porém presentes no produto. Muitas vezes são substâncias proibidas para uso em alimentos, como estimulantes, hormônios ou outras consideradas #doping. Além de enganar o cliente, isso pode acarretar problemas de #saúde a curto, médio e longo prazos.

Nutricionista: busque formação profissional continuada. Atualize-se. Sempre que for prescrever algum suplemento alimentar, esteja apto a justificar, monitorar e avaliar a prescrição adotada, sempre se baseando em evidências de entidades reconhecidamente científicas.


E claro: vamos exaltar, sempre mais, a alimentação natural, que é o nosso real instrumento de trabalho.


Se você deseja ser avisado sobre conteúdos científicos e materiais de apoio ao Nutricionista, clique aqui e deixe seu e-mail.





Bibliografia Consultada:


Site Anvisa: Suplementos Alimentares (2020).


RDC nº 243/ 2018, que dispõe sobre os requisitos sanitários dos suplementos alimentares.


Resolução nº 656/ 2020, que dispõe sobre a prescrição dietética, pelo nutricionista, de suplementos alimentares e dá outras providências.


RDC nº 18/2010, que dispõe sobre alimentos para atletas.