Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Sal de Cozinha: 6 Dicas para Substituí-lo

sal rosa do himalaia

Que a dieta rica em sódio está associada à pressão alta (hipertensão), à incidência de acidente vascular cerebral (o famoso AVC) e de doenças cardiovasculares, todos já sabemos, não é mesmo? A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo diário de menos de 5g de sal por dia! Essa conta equivale a 2g de sódio, incluindo a ingestão de todas as fontes alimentares. Devido a isso, o consumo de sal deve sempre ser monitorado! E esse monitoramento pode ser feito a partir da simples troca do sal de cozinha convencional por outros tipos, como o gersal, sal marinho, light, de ervas, flor de sal e o rosa do Himalaia e tantos outros. Vamos dar 6 dicas para você se inspirar!

1- Sal light

sal light

O sal light é um produto com reduzido teor de sódio em sua composição. A maioria dos sais light contém 50% de cloreto de sódio e 50% de cloreto de potássio, enquanto o sal comum tem em sua composição 99% de cloreto de sódio (NaCl). Mas… fiquem ligados! Por conter alta concentração de potássio em sua composição, ele não é recomendado para pessoas que apresentem algum tipo de doença renal.

2- Sal Marinho

Sal marinho

Esse tipo de sal não passa pelo processo que o sal de cozinha comum passa, seja ele térmico, de refinamento ou de branqueamento. Logo, ele é mais puro! Devido a isso, ele é mais escuro, possui menos sódio e seu sabor é menos salgado (não sofre adição de nenhuma substância química). Por não ser refinado, os microminerais que geralmente são removidos no processo, ficam presentes na composição do produto. Exceção faz-se ao iodo, que é evaporado no processo de extração do produto. Por este motivo, é recomendada a alternância de sua ingestão com outros sais iodados, para que não haja a carência de iodo, que pode ocasionar, dentre outros problemas, bócio endêmico e cretinismo em fetos (doença congênita).

3- Gersal

Gersal

O gersal nada mais é do que o famoso gergelim moído, acrescentado de uma pitadinha de sal. O gergelim potencializa o sabor do sal, evitando, assim, os excessos. Existe no mercado o gersal já pronto, mas nada melhor do que fazê-lo em casa, evitando produtos que estejam armazenados há muito tempo nas prateleiras dos comércios. O gergelim vai perdendo seu valor nutritivo depois de moído, além de oxidar dia após dia! Compre a semente em grão e faça uma pequena quantidade em casa. É muito fácil! (Receita logo ali embaixo).

4- Sal de ervas

Sal com ervas

A baixa quantidade de sódio e o uso de ervas aromáticas (e deliciosas!) tornam o sal de ervas uma alternativa muito tentadora. Além de ser muito mais saudável, dá pra colocar a criatividade em prática no momento de fazer esse tempero. Você pode usar ervas como manjericão, alecrim, orégano, salsinha, estragão, sálvia, tomilho, além de sementes e grãos, como gergelim, cardamomo, grão de coentro… são uma ótima pedida!

5- Flor de sal

flor de sal

É considerado o sal mais puro encontrado! Ou seja, possui alto teor de sódio e, mesmo sendo gourmet, deve ser usado com moderação! É um tipo de sal marinho mais delicado que o que estamos acostumados a ver. A sua formação depende de inúmeros fatores, como condições atmosféricas, temperatura, radiação solar e até vento! São cristais delicados formados na superfície da água do mar e que são recolhidos de forma artesanal, que secam ao sol, formando cristais crocantes. Mas, infelizmente, o preço não é tão convidativo assim, pois de cada 80 quilos de sal marinho produzido, apenas 1 quilo de flor de sal é extraído! (Especial, não?!)

6- Sal Rosa do Himalaia

Uma combinação de cristais de sal que vem diretamente do Himalaia, o sal rosa do Himalaia (lindo só por ser rosa!) é colhido nos depósitos milenares, quando o mar chegava às montanhas do Himalaia. Os cristais de cor natural e bonita são assim devido aos elevados índices de minerais, além de não sofrer nenhum tipo de refinamento. Assim como a flor de sal, deve ser usado com moderação. Devido a todos esses fatores, não podemos esperar um produto bem baratinho… Mas vale a pena incrementar suas receitas, já que ele é gourmet e rico em minerais.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Como prometido… que tal uma receita?

Gersal

Ingredientes:

– 2 colheres de sopa de semente de gergelim
– 1 pitada de sal de cozinha (também pode usar o sal marinho ou o grosso, ok?)

Modo de preparo

– Coloque o gergelim em uma frigideira antiaderente e dê uma leve aquecida (até começar a pipocar) para liberar o óleo contido nas sementes.
– Balance a frigideira sobre o fogo enquanto aquece, para aquecer bem lentamente todos os grãos. Atenção: não precisa esperar estourar todas as sementes; só dê uma leve aquecida.
– Triture as sementes no liquidificador.
– Junte a pitada de sal.
– Coloque no saleiro de mesa e voilá!

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Para terminar…

atençãoNão pense que, por usar outro tipo de sal, você pode exagerar na dose! Não o utilize em excesso devido ao menor conteúdo de sódio! Se você ingere o dobro das alternativas do sal de cozinha vai acabar colocando no seu corpo a mesma quantidade de sódio, entendeu?

Converse com seu nutricionista! Sempre! Alternativas para ter uma alimentação mais saudável são sempre bem vindas!

Gostou do post do sal? Então…

Texto: Anne Karoline
Revisão: Ju Tolêdo

Bibliografia Consultada:

ALMEIDA, P. C.; ALMEIDA, M. E. F. Utilização dos substitutos do cloreto de sódio e da sacarose no tratamento de hipertensos e diabéticos atendidos um uma unidade básica de saúde. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 10, n. 4, p. 393-396, 2006.

CASTRO, R.S.A.; GIATTI, L.; BARRETO, S.M. Fatores associados à adição de sal à refeição pronta. Ciência e Saúde Coletiva, v. 19, n.5 p. 1503-1512, 2014.

PEREIRA, M. A. G.; GALVÃO, R. ZANELLA, M.T. Efeitos da suplementação de potássio via sal de cozinha sobre a pressão arterial e a resistência à insulina em pacientes obesos hipertensos em uso de diuréticos. Revista de Nutrição, Campinas, v. 18, n. 1, p. 5-17, 2005.

SARNO, F.; CLARO, R.M.; LEVY, R.B.; BANDONI, D.H.; MONTEIRO, C.A. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Revista de Saúde Pública, v. 47, n. 3, p. 571-578, 2013.

Site Portal Orgânico

Site Pilotando um Fogão

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio