Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Nutricionista, Conheça Mais Sobre os Transtornos Alimentares

Transtornos Alimentares

Os distúrbios ou transtornos alimentares são condições que o Nutricionista já presenciou ou já viu de perto. Isso porque os padrões de beleza e a pressão social têm tido cada vez mais influência no psicológico das pessoas, que estão muito preocupadas em chegar à perfeição, procuram estratégias absurdas e, na maioria das vezes, acabam por desenvolver danos na saúde, que, muitas vezes, são irreparáveis. Um dos grandes problemas é que, na maioria das vezes, a pessoa portadora do distúrbio não admite e nem percebe seu comportamento, o que pode ser muito perigoso. Pensando neste tema, nossa equipe trouxe maiores informações sobre os transtornos alimentares mais comuns. Conheça: anorexia, bulimia, compulsão alimentar, drunkorexia, vigorexia, ortorexia e a síndrome do comer noturno.

Transtornos Alimentares:

Anorexia

Anorexia

A palavra anorexia significa “falta ou perda do apetite” e é uma desordem psicológica em que a pessoa se enxerga acima do peso em que realmente está e se recusa a manter um peso minimamente normal para a idade. Ela é caracterizada por uma restrição na ingestão alimentar e por comportamentos pró perda de peso, tais como vômitos, prática excessiva de exercícios físicos, ingestão de laxantes e/ou medicamentos emagrecedores. Tudo isso pode causar uma perda de peso exagerada, desnutrição, deficiência de nutrientes no organismo, depressão, distúrbios no metabolismo, queda de cabelo, enfraquecimento das unhas, ressecamento da pele, redução da imunidade e disfunções no ciclo menstrual. O comportamento da pessoa anoréxica, muitas vezes, não é descoberto no início, pois a tendência é que ela esconda e minta tudo o que faz para tentar emagrecer. Apesar disso, o diagnóstico pode ser feito por meio de, principalmente, testes psicológicos e, posteriormente, exames bioquímicos que comprovem a desnutrição. E qual o papel do Nutricionista nesse transtorno? O Nutricionista visará o restabelecimento do peso, normalização do padrão alimentar e da percepção da saciedade, com foco na correção das sequelas deixadas pela desnutrição. Esta reinclusão alimentar deve ser feita de forma gradativa, pois o organismo do paciente estará “desacostumado” com a comida, podendo surgir a Síndrome da Realimentação.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Síndrome da Realimentação?

Ela representa um grupo de sinais e sintomas observados em pacientes com desnutrição grave que tornam a se alimentar. Nela, há desequilíbrio de fluidos e eletrólitos, alterações neurológicas, sintomas respiratórios, arritmias e falências cardíacas poucos dias após a realimentação.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Bulimia

Bulimia

O termo bulimia é utilizado para nomear um transtorno alimentar com caráter mais depressivo que a anorexia, em que a pessoa afetada força o vômito após se alimentar, na tentativa de não absorver os nutrientes, que, teoricamente, o fariam aumentar o peso. Aqui não é a magreza que chama a atenção, e sim a compulsão que esta síndrome causa. Às vezes, os portadores são pessoas com corpos bonitos e invejáveis que, aparentemente, fazem uma dieta restritiva, mas, de uma hora para outra, perdem o controle, comem exageradamente e, em seguida, forçam os episódios de vômitos, usam laxantes para expulsar o que foi ingerido, fazem jejuns prolongados e dietas não saudáveis.

Compulsão alimentar

Compulsão Alimentar

A compulsão alimentar periódica (TCAP) é uma desordem psiquiátrica que se caracteriza por episódios descontrolados e recorrentes de uma ingestão alimentar anormalmente grande em até duas horas, seguida de sensação de perda de controle e culpa. Acontece principalmente entre pessoas com sobrepeso ou obesidade e tem como principal causa a cobrança dos padrões de beleza e a genética. Os principais sintomas incluem:

  • Comer muito e mais rapidamente que o normal;
  • Comer até sentir-se repleto;
  • Comer grandes quantidades, mesmo sem fome;
  • Sentir repulsa por si mesmo ou culpa após comer excessivamente.

A compulsão é diagnosticada quando há episódios de alimentação excessiva e culpa por pelo menos dois dias da semana durante seis meses.

Síndrome do Comer Noturno

Síndrome do Comer Noturno

Esta síndrome é ocasionada por um atraso circadiano do padrão alimentar e é mediado por alterações neuroendócrinas. O diagnóstico é feito pela observação do comportamento alimentar, em que os critérios se baseiam em anorexia matutina e ingestão de 50% ou mais da energia diária após as 19h. Além disso, o indivíduo portador dessa síndrome desperta ao menos uma vez por noite por no mínimo três meses para se alimentar e ingere lanches de altos valores calóricos. As causas podem ser diversas, porém as mais comuns são relacionadas à mudança social do ritmo de trabalho ou da rotina.

Drunkorexia

Drunkorexia

Esta conduta se baseia em restrição do consumo alimentar para ingerir bebidas alcoólicas em excesso. Essa síndrome acomete majoritariamente jovens e mulheres, pois o álcool diminui a ansiedade e, com isso, diminui o consumo alimentar. Os sintomas englobam a distorção da imagem corporal, indução ao vômito, uso de laxantes, etc. Veja mais sobre a DRUNKOREXIA em outro post do nosso blog. Clique aqui.

Vigorexia

Vigorexia

É também conhecida como dismorfia muscular, ou anorexia nervosa reversa, e está, também, associada à distorção da imagem corporal, principalmente em indivíduos do sexo masculino. Os portadores desta síndrome preocupam-se exageradamente com a forma física, de maneira que, para eles, nunca estão suficientemente fortes ou musculosos. Estes indivíduos dedicam muitas horas para a prática de exercícios de força muscular e hipertrofia, o que pode causar prejuízos na vida social.

Ortorexia

Ortorexia

É um transtorno obsessivo compulsivo em que há uma preocupação exagerada em consumir alimentos saudáveis, causando distúrbios psicológicos e restrições alimentares importantes. Os ortoréxicos evitam alimentos que contêm herbicidas, corantes, aromatizantes, transgênicos, sal, açúcar e outros compostos presentes nos alimentos comuns. Essa obsessão pode distorcer as informações que, na maioria das vezes, são baseadas em informações verdadeiras, porém, de uma forma extremamente exagerada. Isso pode levar à perda de relações sociais, pois os ortoréxicos fazem da dieta a coisa mais importante de sua vida.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Os transtornos alimentares têm, em geral, causa desconhecida, mas são considerados alguns aspectos principais, como fatores biopsicossociais: ansiedade, o ambiente em que a pessoa vive, o psicológico, a genética, os padrões de beleza impostos pela mídia, a busca incessante pela perfeição e alterações de neurotransmissores cerebrais. O tratamento se baseia, dependendo do transtorno apresentado, em terapia farmacológica, psicológica e nutricional, sendo que o Nutricionista tem um papel de grande importância no planejamento de cardápios saudáveis e reeducação alimentar, em todos os casos.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Você sabia?

Nutricionista Transtornos Alimentares

Mesmo sendo um profissional da saúde, o Nutricionista não está imune aos transtornos alimentares. As taxas de incidência de transtornos alimentares entre profissionais da saúde é enorme e vem crescendo em proporções gigantescas.

____________________

Gostou?

Texto: Ana Paula Moraes
Revisão: Anne Karoline

Bibliografia Consultada: 

ALVIN, S. A. B. Vigorexia. 2012. 17 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Curso de Psicologia, Centro Universitário São José de Itaperuna, Itaperuna, 2012.

FARAH, M. H. S.; MATE, C. H. Uma discussão sobre as práticas de anorexia e bulimia como estéticas de existência. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 4, p. 883-898, 2015.

HARB, A.B.C.; CAUMO, W.; RAUPP, P.; HIDALGO, M.P.L. Síndrome do comer noturno: aspectos conceituais, epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos. Revista de Nutrição, v. 23, n. 1, p. 127-136, 2010.

MARTINS, M. C. T.; ALVARENGA, M. S.; VARGAS, S. V. A.; SATO, K. S. C. J.; SCAGLIUSI, F. B. Ortorexia nervosa: reflexões sobre um novo conceito. Revista de Nutrição, v. 24, n. 2, p. 345-357, 2011.

PETRIBU, K.; ROBEIRO, E. S.; OLIVEIRA, F. M. F.; BRAZ, C. I. A.; GOMES, M. L. M.; ARAÚJO, D. E.; ALMEIDA, N. C. N.; ALBUQUERQUE, P. C.; FERREIRA, M. N. L. Transtorno da compulsão alimentar periódica em uma população de obesos mórbidos candidatos a cirurgia bariátrica do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, em Recife – PE. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Matabologia, v. 50, n. 5, p. 901-908, 2006.

SILVA, J.W.M. Síndrome da Realimentação. International Journal of Nutrology, v. 6, n. 1, p. 28-35, 2013.

STEFANO, S. C.; BORGES, M. B. F.; CLAUDINO, A. M. Transtorno da compulsão alimentar periódica. Programa de Orientação aos Pacientes com Transtornos Alimentares do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP/SP. v. 34, n. 4, 2002.

UZUNIAN, L. G.; VITALLE, M. S. S. Habilidades sociais: fator de proteção contra transtornos alimentares em adolescentes. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 11, p. 3495-3508, 2015.

VASCONCELOS, J. E. L. Vigorexia: quando a busca por um corpo musculoso se torna patológica. Revista de Educação Física, v. 2, n. 2, p. 91-97, 2013.

 

 

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio