Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Você Utiliza Lista de Substituição Com Seus Pacientes?

Lista de substituição de alimentos

Nutricionista, você conhece o cálculo de dieta por equivalentes? Também conhecido como cálculo por substituições ou por grupos, é um método cientificamente reconhecido, que permite ao paciente uma maior flexibilidade em seu plano alimentar. Além disso, este modelo de trabalho permite que o cálculo da dieta seja feito de uma maneira mais rápida! Após o cálculo é feito um cardápio que será entregue juntamente com a lista de substituição ao paciente. Esta será utilizada por ele e auxiliará em sua orientação e educação nutricional. Quer saber mais? Continue lendo nosso post! 😉

Lista de substituição de alimentos?

Lista de Substituição de Alimentos

A lista de substituição de alimentos, ou lista de equivalentes, é uma ferramenta prática que baseia-se no princípio de que as pessoas não comem, todos os dias, os mesmos alimentos. Ou seja, basta o nutricionista entregar ao paciente apenas um dia alimentar e então o paciente poderá, por livre escolha, eleger as substituições a serem seguidas sem ter que perguntar ao nutricionista a todo momento.

Neste contexto, uma lista de substituição deve garantir que a diferença calórica e de macronutrientes seja insignificante quando se troca uma porção de alimento por outra porção do mesmo grupo. Daí o nome! Nesta lista, uma porção de determinado alimento, de fato, equivale a uma porção de outro alimento do mesmo grupo. Por exemplo: No plano alimentar original, quando estiver especificado que o paciente deverá comer 1 porção do grupo “pão” (Ex: pão francês, que tem 150Kcal e 29 g de carboidratos), ele poderá substituir esta opção por 4 colheres de sopa cheias de aveia, ou 1 fatia e meia de bolo simples, ou 4 unidades de biscoito cream cracker, que são todos alimentos pertencentes ao grupo “pão”. O tamanho das porções também podem variar de acordo com a conduta do profissional.

E como utilizar?

Lista de Substituição de Alimentos

  1. O cardápio deve conter quantas porções de cada grupo devem ser ingeridas em cada refeição.
  2. A lista de substituição deve conter todos os grupos de alimentos: pães e biscoitos, cereais, molhos, carnes, arroz, frutas, leites e derivados, óleos e gorduras…
  3. Dentro de cada grupo de alimentos deverá conter o que seria uma porção de cada alimento (em medida caseira). Além disso, podem ser especificados os valores em gramas e em quilocalorias.
  4. Logo após isto, o nutricionista poderá orientar o paciente e explicar a funcionalidade da lista.

 

Você sabia?

Lista de Substituição de Alimentos

Você pode incorporar à sua lista de substituições grupos de alimentos como: carnes magras, castanhas, sobremesas, fast-foods e até mesmo bebidas alcoólicas. Tudo para garantir uma melhor educação nutricional do paciente, e consciência quanto ao consumo de alimentos sem restrições exageradas.

E quais as vantagens deste método?

Alimentos

  • Dar mais opções de alimentos ao paciente
  • O paciente aprende a montar o próprio cardápio, melhorando sua noção de proporções de alimentos e como estes podem combinar entre si
  • Caso o paciente vá a um restaurante ou a uma festa, ele terá condições de montar seu próprio cardápio
  • Caso o paciente opte por uma maior variedade de escolhas para se alimentar, seu consumo de micronutrientes será mais variado

 

Dicas importantes:

Valor nutricional

A lista de substituição de alimentos é construída a partir de tabelas de composição de alimentos, que ainda têm alguns entraves, como informações incompletas, falta de descrição de ingredientes em preparações completas (arroz com legumes, feijoada, bebida isotônica, salada de legumes, tabule…) e até mesmo resultados contraditórios quando comparados com outras análises laboratoriais. Sendo assim, o profissional deverá ter bastante cautela na escolha das tabelas de composição de alimentos e mais ainda na escolha dos programas de cálculo de dietas que utilizará para seu atendimento.

Outro fator importante é que a lista de substituição de alimentos garante similaridade entre valor energético e de macronutrientes em alimentos, ou seja, muitas vezes os micronutrientes não serão semelhantes entre um alimento e outro do mesmo grupo. Assim, em dietas em que há maior restrição de micronutrientes, como em dietas para pacientes com problemas renais por exemplo, a dieta deverá ser calculada com maior distinção entre grupos alimentares.

 ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦•°•♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦

Gostou? Fique ligado nas atualizações de alimentos e produtos para sempre deixar a dieta de seu paciente o mais próximo possível da realidade! Neste contexto, a lista de substituição de alimentos é um instrumento de grande importância e utilização para os nutricionistas e também para o paciente, que poderá ter uma maior autonomia em sua alimentação!

As Planilhas Cookie® utilizam este método no cálculo de dietas. O toque especial fica por conta da conduta do NUTRICIONISTA, associada a uma alimentação variada e de qualidade por parte do paciente.

 ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦•°•♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦

 

Texto: Anne Karoline
Revisão: Ju Tolêdo

Bibliografia Consultada:

NARCIZO, L.B. Avaliação da Lista de Substituição de Alimentos Utilizada por um Programa de Extensão em Nutrição Clínica de uma Instituição de Santa Catarina – Estudo Piloto. 2010. 101 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Nutrição) – Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, Criciúma, 2010.

Planilhas Cookie®

RIBEIRO, P.; MORAIS, T.B.; COLUGNATI, F.A.B.; SIGULEM, D.M. Tabelas de composição química de alimentos: análise comparativa com resultados laboratoriais. Revista de Saúde Pública, n. 37, v. 2, p. 216-225, 2003.

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio