Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Intolerância à Lactose: Será Que Você Tem?

intolerância a lactose

Estive este mês em um evento muito bom: o YINI – Yogurt in Nutrition. E uma das melhores explanações do evento foi sobre o diagnóstico da intolerância à lactose. Achei ótimo, diante da moda que vem invadindo a mídia e as mentes como se todos nós fôssemos intolerantes ao açúcar do leite, a lactose. Os estudos sobre intolerância à lactose vêm aumentando a oferta de derivados do leite e leites sem lactose, de receitas e iogurtes sem lactose, leite de soja… no mercado. Isso tudo é extremamente válido e importante. Mas antes, precisamos entender melhor o assunto para depois decidir o que comer e o que indicar, caso você seja nutricionista.

Vamos esclarecer esta questão do diagnóstico da intolerância por partes. 🙂 Primeiramente, para saber a diferença entre intolerância e alergia alimentar, clique aqui.

Vou relatar a vocês as principais explanações feitas na palestra do Dr. Sender Miszputen, no Ganepão, um dos maiores eventos de Nutrição Clínica de nosso país.

Sobre a digestão da lactose:

O jejuno proximal é o principal local de produção da lactase, apesar de parte dela também ser produzida no jejuno. Ela é a principal enzima mediadora da quebra da lactose em glicose e galactose e é, das três dissacaridases (maltase, lactase, sacarase), a produzida em menor quantidade. Além disso, lesões na muscosa intestinal reduzem temporariamente a fabricação da lactase pelas células do epitélio intestinal.

Como saber se você tem intolerância à lactose?

Intolerância à lactose é a incapacidade parcial ou total de digerir a lactose, resultado da deficiência ou ausência da lactase. É uma situação relativamente comum, associada a sintomas digestivos tais como cólicas e distensão abdominal, diarreia, flatulência excessiva (gases), meteorismo (aumento dos ruídos intestinais) e, eventualmente, náuseas e vômitos.

Mas o melhor teste, padrão ouro para o diagnóstico da intolerância à lactose, é o teste respiratório. Nele é medida a quantidade de hidrogênio exalado, que, em situações normais, é muito pequena. Após ingestão de uma solução de lactose, o gás produzido pela fermentação das bactérias intestinais é transportado pela corrente sanguínea até aos pulmões. O hidrogênio excretado pelo ar expirado é facilmente quantificado em intervalos regulares. É um teste simples, não invasivo e seguro.

Ressalvas sobre o teste e o diagnóstico de intolerância à lactose:

A quantidade de lactose utilizada no teste é de 50 g, que pode ser considerada excessiva e causadora de incômodos até mesmo em não intolerantes. Desta forma, alguns estudiosos têm questionado se o teste não possa causar falsos positivos, já que a quantidade é proporcional à ingestão de quase um litro de leite.

Além disso, o teste do hidrogênio no ar expirado também pode ser utilizado na suspeita de má absorção e/ou intolerância a outros carboidratos e de sobrecrescimento bacteriano no intestino delgado, sendo, portanto, utilizado na investigação das seguintes patologias:

  • Intolerância à frutose;
  • Má absorção de sorbitol e xilitol (carboidratos usados como adoçante);
  • Monitorização da doença celíaca, doença inflamatória intestinal e outras patologias que determinam intolerância secundária à lactose;
  • Supercrescimento bacteriano no intestino delgado.Intolerância a lactose

Para ficar seguro quanto ao seu caso, o ideal é:

  1. Procurar um gastroenterologista ou pediatra, conforme o caso, para fazer um diagnóstico correto e descartar outras intolerâncias como as citadas acima e que, comumente, são confundidas com intolerância à lactose.
  2. Verificar qual o grau de severidade da intolerância.
  3. Procurar um nutricionista com experiência no assunto para não que você não sofra restringindo alimentos sem necessidade. A maioria dos derivados do leite pode ser consumida sem problemas, desde que sem exageros, por intolerantes à lactose, a não ser que a intolerância seja severa. Os derivados apresentam quantidades reduzidas ou mesmo traços do açúcar, já fermentado durante o processo de produção de iogurtes, queijos, coalhadas, etc. Há também opções de alimentos com muito baixo ou até mesmo leites totalmente sem lactose.

Gostou do que leu?

Siga cookie no instagram

Texto: Dennia Trindade
Revisão: Ju Tolêdo

Bibliografia consultada:

MISZPUTEN, S. Palestra. Intolerância à lactose: o iogurte faz diferença? 

Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Ciências Médicas. Teste respiratório de intolerância à lactose. 

FERNANDES, P. M. Tabela com o Teor da lactose dos alimentos.

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio