Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Delícias da Nossa Terra: Culinária Indígena

Pamonha

Dia do índio

Hoje, dia 19 de abril, comemora-se o Dia do Índio. Esta data entrou na história graças à participação de líderes indígenas no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado em 1940. Nesse mesmo congresso, foi criado o Instituto Indigenista Interamericano, para zelar pelos direitos dos índios nas Américas. Em 1943, o então Presidente do Brasil Getúlio Vargas instituiu o Dia do Índio no Brasil para relembrar essa importante data para a comunidade indígena.

Para comemorar esta data, existem pinturas, contos de histórias, confecção de colares e cocares, desenhos no papel e um milhão de outras atividades. Como a Nutrição rege nossas vidas (rsrs), nada mais justo do que uma comemoração gastronômica conhecendo a culinária indígena!

Se você acredita que todo índio só se alimenta de frutas silvestres, pescados e raízes, está muito enganado. Cada tribo possui uma culinária específica e, apesar desses alimentos serem a base alimentar, seu uso depende das particularidades de cada aldeia.
Nosso objetivo foi trazer para vocês pratos tipicamente indígenas que derivam dos alimentos-base e fazem parte da culinária deste povo.

Para não causar estranheza ao paladar, o uso de temperos, métodos de cocção e outros alimentos serão utilizados. Afinal, dispensar o uso de certos temperos e tecnologias é um baita programa de índio!

Mandioca

Também conhecida como aipim ou macaxeira, ela é a base da alimentação indígena, predominando o cultivo da mandioca-brava, assim chamada porque essa espécie possui um veneno mortal. Para retirar o veneno, há dois processos: ou descascam a mandioca e a deixam dentro da água até apodrecer para depois socá-la; ou, depois de lavada, colocam-na na esteira de buriti, onde será ralada e espremida para que seja eliminado o sumo venenoso. Existem diversas maneiras de se utilizar a mandioca, e os índios sabem disto muito bem…

Mandioca culinária indígena

Paçoca

A Paçoca original é produzida com carne de sol e farinha de mandioca, pilando-se os ingredientes. E como não podemos perder a oportunidade, segue uma receita para você se aventurar na cozinha!

Paçoca de carne seca culinária indígena

Ingredientes:

  • 1 kg de carne de sol cortado em pedaços pequenos
  • ½ xícara (chá) de manteiga
  • 3 cebolas grandes cortadas em pedaços
  • 2 xícaras (chá) de farinha de mandioca torrada

Modo de preparo:
Na véspera, limpe a carne de sol, retirando a pele e a gordura em excesso; coloque-a de molho em um refratário coberto com água. No outro dia, escorra e reserve. Numa frigideira grande, aqueça a manteiga e o óleo, acrescente a carne e a cebola e deixe fritar, mexendo de vez em quando até que fiquem dourados e quase secos. Retire do fogo e espere esfriar um pouco. Soque a carne e a farinha no pilão (pode ser preparada no liquidificador ou no processador), acrescentando um pouco de cada vez. Soque até obter uma farofa. Tempere a gosto.

Tapioca

Muitos confundem beiju ou biju com tapioca e alguns já os tratam como sinônimos. Na verdade, beiju é um bolo feito de massa de mandioca ou tapioca; a tapioca é feita de goma de mandioca. Para obter a massa, é preciso ralar a mandioca e depois espremê-la até retirar o excesso de umidade; já para obter a goma, faz-se a decantação da manipueira, que é que o líquido retirado da massa.

Na população indígena, o beiju era um alimento de toda hora, pois os índios não têm horários marcados para suas refeições. Comiam quando sentiam fome. Eles o ingeriam sozinho ou recheado com peixe cozido. Mas a nossa receita é de tapioca – queridinha dos atletas e praticantes de atividade física!

Tapioca culinária indígena

Ingredientes:

  • 1 kg de goma para tapioca (vende nos supermercados)
  • 1 xícara de coco ralado (opcional)
  • Sal a gosto
  • Água para umedecer a massa
  • Recheio a gosto (queijo, presunto, carne, camarão, chocolate derretido, mel, calda de sorvete, doces, sorvete, etc)

Modo de preparo:
Separe 1 kg de goma em duas partes. Molhe uma delas com água, sem deixar ficar uma “papa”; caso fique muito úmida, polvilhe com a outra parte até a massa escorrer entre os dedos (também não pode ficar seca demais). Coloque sal a gosto e misture o coco ralado; depois, passe tudo em uma peneira.  Enquanto isso, coloque a frigideira em fogo alto e dez segundos depois passe para o fogo médio. Coloque a goma na frigideira (não precisa de óleo) espalhando bem. Deixe aproximadamente por 1 minuto a 1 minuto e 30 segundos. Vire, como se faz com uma panqueca. Está pronta! Coloque num prato e recheie, dobre ao meio e saboreie!

Se preferir compre a goma já hidratada, e peneire a goma em uma frigideira antiaderente, em fogo baixo, até ficar uniforme (tampar toda a frigideira).

Pirão

Originalmente, o pirão é um caldo grosso feito de farinha de mandioca e caldo de peixe. O nosso é mais elaborado, veja só a receita:

Pirão Indígena culinária indígena

Ingredientes:

  • 2 litros de água
  • 1 cabeça de peixe
  • 3 folhas de louro
  • 3 colheres (sopa) de azeite de oliva
  • 1 cebola cortada em fatias
  • 1 dente de alho picado
  • 1 xícara (chá) de molho de tomate
  • Suco de 1 limão
  • 3 colheres (sopa) de salsinha picada
  • 3 colheres (sopa) de coentro picado
  • Sal a gosto
  • Pimenta-do-reino a gosto
  • 2 ½ xícaras (chá) de farinha de mandioca crua

Modo de preparo:
Em uma panela, coloque a água, a cabeça de peixe, o louro e deixe ferver por 20 minutos. Enquanto isso, aqueça o azeite e doure a cebola e o alho. Acrescente o molho de tomate, o suco de limão, o coentro, a salsinha, o sal, a pimenta-do-reino e refogue por mais 5 minutos no fogo médio. Adicione o caldo de peixe coado a este refogado e acrescente a farinha de mandioca aos poucos, mexendo sempre, até que obtenha a consistência de um purê.

Caso você queira um pirão mais consistente, basta aumentar a quantidade de farinha de mandioca.

Mingau

O Mingau era feito através de pancadas de um pedaço de pau no pão seco e na farinha. Estes são levados ao fogo em uma panela com água e transformada em um caldo que era ingerido durante o dia, em substituição à água.

Veja a receita do mingau originalmente indígena!

Mingau de farinha de mandioca culinária indígena

Ingredientes:

  • ½ xícara de chá de farinha de mandioca
  • 1 xícara de chá de água
  • 7 colheres de sopa de açúcar
  • 4 xícaras de chá leite
  • Canela (opcional)

Modo de preparo:
Coloque o leite para ferver; acrescente a farinha e o açúcar; mexa até engrossar e dar o ponto de mingau.

Milho e preparações a base de milho

O milho, muito usado nas tribos tupis, era consumido em forma de mingau, assado, cozido ou consumido na forma do cauim, um tipo de bebida fermentada. Mas estas não eram as únicas maneiras de consumir milho nas tribos… Conheça as várias formas de consumo do milho:

milho

Canjica

A canjica era uma pasta de milho puro até receber o leite, o açúcar e a canela dos portugueses, ganhando adaptações de acordo com o preparo: deriva-se daí o mungunzá, nome africano para o milho cozido com leite, e o curau, feito com milho mais grosso.

Faça você também!!!

Canjica

Ingredientes:

  • 500g de milho para canjica cozido
  • 500 ml de leite
  • 1 xícara (chá) de açúcar ou adoçante culinário
  • ¼ xícara (chá) de água
  • 1 colher (sopa) de amido de milho
  • 5 colheres (sopa) de coco ralado (opcional)
  • 6 cravos e 1 canela em pau

Modo de preparo:
Para cozinhar a canjica: Coloque o milho para canjica em um recipiente e cubra com água deixe por 12 horas. Escorra e coloque o milho para canjica na panela de pressão com água (para cada 200gr use 6 xícaras de água) . Deixe em fogo alto até a válvula chiar, reduza o fogo e deixe por 50 minutos. Retire a pressão da panela e escorra o milho.

Adicione em uma panela a canjica já cozida, leite, cravos e canela, mexa bem e deixe começar a levantar fervura. Adicione o açúcar ou adoçante culinário, o coco ralado, e o amido de milho diluído em ¼ de água. Mexa sem parar em fogo baixo por cerca de 3 minutos ou até atingir o ponto que deseja. Sirva quente o frio com canela em pó polvilhado por cima.

Pamonha

A pamonha indígena era um bolo mais grosso de milho ou arroz envolvido em folhas de bananeira. Já a nossa pamonha é bem diferente! Confira:

Pamonha

Ingredientes:

  • 1 copo americano de óleo
  • 10 espigas de milho verde
  • 1 colher de sal
  • 1 pitada de açúcar

Modo de preparo:
Separe as palhas boas e limpas do milho que poderão ser utilizadas para fazer o copinho da pamonha. Corte as duas extremidades do milho, escove as espigas para retirar os cabelos, tomando cuidado para que os grãos não estourem. Depois disso, rale as espigas e use uma peneira para coar o milho antes de temperar. Em seguida, coloque essa massa em uma vasilha, acrescente o óleo quente e mexa bem. Coloque também o açúcar e o sal.

Para o recheio, a sugestão é que seja usado queijo coalho, pedaços de linguiça ou queijo minas fresco, com cebolinha e pimenta. Use as palhas separadas inicialmente e faça os copinhos, cada um utilizando duas palhas. Preencha o copinho com a massa, o recheio e feche com mais duas palhas, usando um cordão ou um elástico para amarrar. Deixe cozinhar por cerca de 30 minutos em uma panela com água.

Pipoca

A pipoca também tem origem indígena. Quem diria! A nossa receitinha de pipoca não leva óleo; se maneirar no uso do sal, você só tirará proveito de tudo que este alimento tem a oferecer!

Pipoca

Ingredientes:

Salgada:

  • ½ xícara (chá) de milho para pipoca
  • ¼ xícara (chá) de água
  • Sal a gosto

Doce:

  • ½ xícara (chá) de milho para pipoca
  • ¼ xícara (chá) de água
  • 60 g (ou 4 colheres de sopa rasa) de açúcar
  • 5 g (ou colher 1 sopa) de cacau em pó

Modo de preparo:

Salgada:
Em um refratário próprio para micro-ondas, coloque o milho para pipoca, água, sal a gosto e mexa com uma colher. Cubra o refratário com papel filme e coloque no micro-ondas. Ligue o micro-ondas na potência alta por 10 minutos. Retire o refratário do micro-ondas, descarte o papel filme e sirva a pipoca salgada imediatamente.

Doce:
Em um refratário próprio para micro-ondas coloque o milho para pipoca, água, açúcar e achocolatado. Mexa com uma colher, cubra o refratário com papel filme e coloque no micro-ondas. Ligue o micro-ondas na potência alta por 10 minutos. Retire o refratário do micro-ondas, descarte o papel filme e sirva a pipoca doce imediatamente.

Siga a quantidade exata dos ingredientes. Assim que começar a estourar o milho, fique de olho, pois pode haver alteração de tempo de acordo com o modelo, marca e ano do seu micro-ondas.

Viu só quantas preparações derivam da culinária indígena? Claro que houveram adaptações da receita original para as receitas que conhecemos hoje, mas a essência continua e é isto o que importa. Infelizmente, adquirimos maus hábitos alimentares e até passamos isto aos indígenas, que hoje sofrem das mesmas doenças que nós: hipertensão, diabetes, obesidade e outras.

criança indígena

Mas enquanto soubermos, valorizarmos e até comemorarmos nossas raízes. Ainda há esperança: afinal de contas, nosso “berço alimentar” é de dar orgulho! Feliz Dia do Índio!

Gostou da culinária indígena?

Siga cookie no instagram

 

Texto: Dennia Trindade
Revisão: Ju TolêdoLúria Papacosta

Bibliografia Consultada:

Ana Maria Receitas.

Receitas de Minuto.

Sabores de Mato Grosso

Tudo Gostoso Receitas

Edu Guedes Receitas.

Alimentação dos índios.

Grupo Natural da Terra.

Povos Indígenas no Brasil Mirim.

Programa de Índio

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio