Carrinho Vazio

Blog da Cookie

Alimento Sem Gorduras Trans: Verdade Ou Mentira?

Rótulos - Gorduras trans

Com toda certeza você, Nutricionista, já ouviu falar nas famosas gorduras trans. Presentes em muitos alimentos considerados “bem gostosos”, quando consumidas em excesso (algo bastante comum entre as pessoas) são um dos grandes problemas quando o objetivo é alimentação saudável e saúde. Já foi comprovado pela ciência que o consumo frequente de gorduras trans aumenta as chances de desenvolvimento de obesidade, sobrepeso e doenças cardiovasculares. Mas, e aqueles alimentos industrializados que são definidos como “livres de gorduras trans“? Será que essa informação realmente é verdadeira? É o que a #EquipeCookie trouxe para você hoje! Confira!

Mas antes… O que são essas tais gorduras trans?

Gorduras trans

As gorduras trans são um tipo específico de ácidos graxos que são produzidos a partir dos seguintes processos:

  • Alimentos originados de animais ruminantes: alimentos como carnes, leites e derivados, são fontes naturais de ácidos graxos trans. Mas, acredite, essa aqui nem é o problema principal.
  • A etapa conhecida como “desodorização” no processamento industrial de óleos vegetais: que visa a remoção de componentes voláteis de sabor e odor indesejáveis.
  • O processo de fritura dos alimentos: no caso da reutilização prolongada de óleos na fritura de alimentos.
  • O processo de hidrogenação parcial de óleos vegetais: usado na produção de margarina e gordura hidrogenada, transforma óleos vegetais líquidos em gordura sólida à temperatura ambiente. Esse processo é feito para melhorar a consistência de alimentos e aumentar a vida útil de alguns produtos.

 

Vendo esses itens foi possível perceber que existem ácidos graxos trans em alimentos naturais, não é? Eles sempre fizeram parte da alimentação humana porém, a grande questão hoje, é o aumento da ingestão desse tipo de gordura. Isso porque, com a produção de substitutos para a manteiga e as gorduras animais por meio da hidrogenação parcial de óleos vegetais, houve uma significativa elevação da presença dela na dieta. E principalmente bem sabemos o quanto os alimentos industrializados, em geral adicionados de gordura vegetal hidrogenada e outros tipos de gorduras para melhorar sua textura e durabilidade, são consumidos em grandes quantidades. E aqui entra o perigo!

Os ácidos graxos trans relacionam-se fortemente com o risco cardiovascular, especialmente em razão de aumentarem a concentração plasmática de colesterol total e de LDL-c, bem como possuem efeito adverso adicional, em razão de reduzirem a concentração plasmática de HDL-c, lipoproteína inversamente relacionada a eventos cardiovasculares. Sendo assim, o seu consumo, frequente e em grandes quantidades, aumenta consideravelmente as chances de desenvolvimento de hipercolesterolemia e aterosclerose, além de sobrepeso e obesidade.

E os produtos da indústria, realmente não contêm gorduras trans?

Gorduras trans

Aí já é outra questão! Em razão das evidências quanto aos efeitos deletérios dos ácidos graxos trans, a Food and Drugs Administration (FDA) designou, em 1999, que todos os produtos embalados deveriam indicar na rotulagem nutricional, a quantidade dessa gordura presente na porção do produto a ser adquirido. No Brasil, isso foi regulamentado na resolução RDC nº 360 de 23 de dezembro de 2003! Nesse documento, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) preconiza que apenas os produtos que contenham ácidos graxos trans em quantidade menor ou igual a 0,2g por porção sejam designados como zero trans.

E é nisso que devemos prestar bastante atenção! Nos alimentos declarados como ZERO gorduras trans, algumas possibilidades podem ocorrer, a depender de cada fabricante:

  • Arredondamento dos valores, de acordo com o permitido pela Anvisa. Isso porque, como já descrito acima, se a quantidade de gordura trans por PORÇÃO for menor que 0,2g, o valor pode ser descrito como zero. Ou seja: se houver, em 2 bolachas (1 porção), 0,19 g de gordura trans, na embalagem estará que o produto não contém essa gordura. Porém, em uma embalagem com 10 unidades, haverá 1,9 g de gorduras trans. E quem aí não conhece alguém que consegue comer um pacote inteiro de bolacha? No final do dia o consumo é bastante significativo!
  • Troca da gordura trans por outro tipo de gordura para que o alimento seja, de fato, zero em gorduras trans. No entanto, há uma grande preocupação por parte da comunidade científica em relação à escolha, por parte da indústria, do substituto para ácidos graxos trans, que têm sido os ácidos graxos saturados.

Viu só? Como observar o rótulo de todos os alimentos que vamos consumir é mais do que importante?

E… onde podemos encontrar as gorduras trans?

Gorduras trans

  • Na gordura vegetal hidrogenada ou gordura hidrogenada, bem como nos alimentos que a possui como ingrediente. Às vezes no rótulo vem escrito apenas gordura vegetal, mas é a mesma.
  • Em fast-foods em geral, fritos neste tipo de gordura (ex.: batata frita).
  • Em sorvetes e outros alimentos cremosos industrializados.
  • Em pães, bolachas, biscoitos e similares industrializados. Quanto mais macio e crocante, pior.
  • Em proporções menores, em alimentos derivados de ruminantes (vaca, cabra, etc.): carnes, leite e derivados.

 

Enfim… Pode ser verdade ou mentira que existem alimentos industrializados sem gorduras trans. De qualquer forma, como já mencionamos, é importante escolher alimentos pobres em gorduras totais e conferir os INGREDIENTES descritos na embalagem, ao invés de olhar só o valor descrito na tabela de informação nutricional.

Conclusão: cada alimento precisa ser analisado, individualmente, para saber se ele realmente não possui gordura trans.

verdade ou mentira

mentira

Gostou do post? Então…

Instagram - site

Bibliografia Consultada:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar Para a População Brasileira. 2 ed. Brasília, 2014.

I Diretriz Sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Sociedade Brasileira de Cardiologia, v. 100, n. 1, 2013.

MERÇON, F. O que é uma gordura trans? Química Nova na Escola. v. 32, n. 2, 2010.

Deixe o seu comentário

Carrinho Vazio